OPEN HOUSE REBEL

Open House Rebel Neste Domingo – 30/06

 

flyer
Está precisando dar um “up” no seu visual? Acordou com coragem para fazer aquela tatuagem que você sempre quis? Você não resiste a um bazar cheio coisas incríveis e gente interessante?
Se você respondeu “sim” para qualquer uma das perguntas acima, a liga mais rebelde do Brasil promete fazer seu próximo domingo mais feliz! O primeiro Open House Rebel acontece no dia 30 de junho, fechando o mês com chave de ouro. De quebra, você ainda vai ajudar as Rebels a irem representar nosso país no Campeonato SulAmericano de Roller Derby, que acontecerá em agosto na Colômbia.

 Atrações:
-Tatuagem (com profissional qualificado);
-Corte de cabelo masculino e feminino (com profissional qualificado do Retrô Hair);
-Bazar de roupas e acessórios;
-Manicure;
-Make up;
-Comidas vegans;
-Doces;
-Bebidas;
-Custom work;
-Merch da liga.

O Open House Rebel acontece das 12h às 20h na Rua Martinho Prado, 192 ap. 102, Centro (entrada pela lateral direita). A entrada custa R$ 5,00. Pra não esquecer: o pagamento da entrada e de todos os produtos e serviços que serão oferecidos pode ser feito apenas em dinheiro.

Não fique de fora! Confirme presença no evento e chame seus amigos! Não poderá ir mas quer ajudar sua liga preferida a ir pra Colômbia? Pode contribuir por aqui também. :)

 

Carta para uma jovem “derbysta”

Postado em 24 de Março de 2013 em Call the Jam

Alguns dizem que demora um ano antes do derby começar a ficar claro. Pode demorar mais pra você. Vai parecer uma eternidade. Vai ter um monte de jams em que você não vai ter idéia do que diabos está acontecendo. Você vai ter que focar em uma coisa de cada vez e não se deixar dominar pelo desconhecido. Depois do scrimmage com as veteranas, você vai sair da pista muitas vezes pedindo desculpas por ter errado. Elas esperam que você cometa erros, não há necessidade de se degradar. Pergunte o que você pode fazer melhor. Escute e se esforce e não se cobre demais pelas suas imperfeições.

Isso não quer dizer que não haja a necessidade de pedir desculpas. Algumas pessoas gostam de dizer: “Não existe ‘desculpa’ no derby” ou “não tem choro no derby”. As duas declarações são falsas. Você pode machucar outras pessoas com a forma que joga, especialmente quando está só começando. Algumas vezes, apesar das melhores intenções, você vai agir como uma vaca fdp ou bebê chorona com areia na sua… Tenha consciência de si mesma e admita seus erros quando os reconhecer.

Se você for humilde e se esforçar e prestar atenção, as coisas vão começar a fazer sentido com o passar do tempo. Vá aos treinos. Não tem substituto pra isso. O derby te devolve o que você coloca nele. Nenhuma dose de vontade, quantidade de equipamento chique, nenhum montante de desejos será substituto de treinos, especialmente quando você estiver desenvolvendo suas habilidades iniciais. Repetindo: não há substituto para os treinos.

Você vai ficar #chatiada. Você vai achar que precisa de um “tempo” pra lidar sozinha com suas frustrações em relação ao seu desenvolvimento lerdo e suas falhas, para “reiniciar”. Você não precisa de um tempo. Pare de reclamar e vá treinar.

Não seja uma garota de meia arrastão. Derby é tão mais que trajes estranhos, patinar e se se fingir de durona. É mais que uma encenação. É um movimento do-it-yourself liderado por mulheres cujas vidas estão sendo transformadas, treino a treino, jogo a jogo. Seja parte disso. Jogue o jogo. Faça.

Você vai se frustrar. Você vai ver gente que começou como fresh meat (ou como carinhosamente as chamamos: carninhas) na mesma época que você ficando melhor mais rápido. Você vai colocar seu nome na escalação e não vai ser chamada. Você vai ficar na reserva. Você vai se machucar e ter que ficar do lado de fora da pista. Você vai ter uma jam ruim. Você vai ter um treino ruim. Você vai ter um jogo ruim. Não é o fim do mundo.  Nós somos um time. Ninguém perde ou ganha sozinho. Dê o seu melhor, e seja gentil consigo mesma quando o seu melhor não é bom o suficiente.

Apóie suas companheiras de time. Os sucessos delas são seus. Não fique com inveja quando alguém entende o esporte com mais facilidade que você. Não menospreze as garotas que entram na escalação quando você não entra. Elas são suas companheiras de equipe. Anime-se e dê um  high five nelas. Se liga, meu. Se esforce mais. Não culpe os treinadores, o chão, os juízes, seu equipamento, a garota que foi escalada quando você achou que deveria ser você. Ninguém quer ouvir isso, e esse não é o problema. Se liga. Se esforce mais.

Não tenha medo de fazer perguntas. Não se desculpe por fazer perguntas. Você tem muito a aprender. Mas também escute. Não abafe informações importantes com o som da sua própria voz. Leia as regras. Assista derby. Vá aos jogos, coloque na WFTDA ou DNN no seu laptop. Descubra com quais patinadoras você quer se igualar, tanto as garotas no seu próprio time quanto as estrelas do esporte. Decida suas metas, não espere os treinadores darem feedback. Mas também peça por feedback aos treinadores. Escute os juízes e não retruque. Faça perguntas após o scrimmage.  Pague uma cerveja pra eles na afterparty. Eles adoram falar das regras, e você tem muito que aprender com eles. Aprenda uma posição de NSO. Aprenda todas as posições de NSO. Peça algumas dicas a uma veterana sobre como fazer uma habilidade que você quer dominar. Pratique aquela habilidade de novo e de novo. Pratique mais. Não esqueça de praticar do lado não dominante.

Você vai se fazer de boba. Você vai cair. Muito. Você vai deixar a jammer passar. Você vai entrar de jammer e não vai conseguir sair do pack nos dois minutos. Você vai tomar uma penalidade por algo perfeitamente evitável. Você vai cometer muitos erros bobos. Não tenha medo. Aproveite. Tudo. Esse será um dos períodos mais divertidos da sua vida. Divirta-se. Não se afete com falatório negativo. As coisas vão melhorar se você perseverar. Você vai ficar mais em forma do que você jamais esteve em sua vida. Suas companheiras de time vão aplaudir um movimento foda que você fez. Você vai entrar na escalação. Você terá ótimos treinos. Você vai ganhar jogos. Você vai ser lead jammer. Você vai derrubar a jammer do time oposto e a platéia vai vibrar muito. Repetindo: esse será um dos períodos mais divertidos da sua vida. Aproveite.

Derby Sunday II – 2 anos de Gray City Rebels

Derby_sunday

O próximo domingo com certeza não será dia para ficar em casa! Isso porque no dia 3 rola a segunda edição da Derby Sunday no NEU, comemorando o aniversário de dois anos da liga mais rebelde da cidade!

Com Rodrigo Lima (Dead Fish) e Uilton Japa nas pick-ups, quem for também confere a playlist especial que as Rebels montaram para os convidados, além da nossa lendária pirâmide humana e sorteios incríveis durante todo o evento. E tem mais: você garante um preço antecipado e a participação no sorteio comprando seu ingresso com qualquer uma das jogadoras!

E pode vir preparado! Estaremos com nosso merch vendendo camisetas, buttons, canecas e adesivos legais! Dá pra levar um item bacana e, de quebra, ajudar muito a nossa liga!

Ainda neste ano participaremos do primeiro torneio latino americano entre ligas, na Colômbia, e todos os lucros da festa serão voltados para ajudar-nos com a viagem. Será nossa primeira participação em jogos com ligas de outros países! Demais, né?

O NEU fica localizado na Rua Dona Germaine Burchard, n° 421 – Água Branca, e acaba de passar por uma reforma para deixar o lugar ainda mais aconchegante. Mas, caso você ainda tenha alguma dúvida de que vai ser inesquecível, vale a pena dar uma olhada no que rolou ano passado, durante a primeira edição do evento:

 

E aí, não dá pra perder, né?

 

 

Somos aprendizes da WFTDA!

WFTDALogoWhiteBkrdApprentice2FNL

O ano de 2013 começou de uma forma muito especial para as Rebels! Sabe por quê?! Hoje saiu a lista de ligas aprovadas para serem Apprentice Leagues da associação internacional de roller derby flat track feminino, a WFTDA. Ou seja, as Rebels agora são parte da WFTDA, a federação que “cuida” do roller derby no mundo! Dá pra entender o quão importante é ter o nominho das Rebels lá no site?

O que isso significa? Significa que demos o primeiro passo em direção ao reconhecimento internacional, bem como o nacional, e também em direção ao crescimento do esporte aqui na América Latina!

Ao sermos membros da WFTDA, teremos oportunidade para crescermos. Podemos participar de mais jogos se quisermos, (quase todos os que envolverem a WFTDA) e teremos acesso a recursos únicos e muito valiosos que visam o crescimento do esporte como um todo. Como o roller derby é uma comunidade que é baseada no espírito de equipe, nós poderemos entrar em contato com qualquer liga membro para pedir ajuda e conselho sobre qualquer coisa; jogos, equipamento, o que é necessário para sediar, com segurança e sucesso, um bout, entre outras coisas!  Não é demais?

Image

Nosso nominho no site da WFTDA junto com as outras ligas que foram aceitas!

Sem dúvida esse é o começo de uma grande jornada que tem como objetivo sermos “full member” da associação para termos a liberdade de jogar com as ligas grandes espalhadas pelo mundo! Para isso, teremos que suar muito e cumprir o plano de liga aprendiz!

Se você quiser mais informações sobre a associação gringa, WFTDA, ou não conhece e quer saber direitinho o que é, clique aqui e entre no site!

E você? Quais os próximos objetivos para a sua liga? :)

~ Rebelspectiva 2012

Que 2012 foi um ano demais pro roller derby no Brasil, todo mundo já sabe! Teve primeiro Brasileirão, tiveram primeiros jogos interligas, teve bootcamp com jogadoras do fucking Team USA… Mas e pras Rebels? O que mais marcou?

Pra manter a nossa fama de rebeldes, nada mais justo do que fazer uma retrospectiva não comum: colhemos depoimentos das Rebels e você pode conferir aqui como foi o nosso ano!

E de quebra, ainda pode ficar com aquela vontade de virar uma Rebel…  Ou de quem sabe jogar contra a gente? Até 2013!

—-

Image

Rebels na festinha de confraternização de fim de ano! (Dez/12)

“Cada treino foi especial, cada vez que alguém ajudava alguém seja num drill, ou antes do treino – quando percebia que uma amigue não tava bem e vinham trocar palavras de força…  Ajudaram MUITO nas traduções das gringas que vieram, deu pra ver muita parceria… O mais emocionante foi quando a Fifi veio pra cá com a Killa e elas tiveram uma paciência incrível e foram super gente boa, fizeram por amor mesmo, assim como as Rebels no DO IT YOURSELF.”

~ Spider Mean (Rebel desde Jul/2011)

“Difícil dizer UM, um momento só que tenha sido gratificante ou importante. Talvez com o passar dos anos para os veteranos as coisas se tornem mais “normais”. Pra mim, que sou carninha, tudo é uma experiência ao mesmo tempo aterrorizante, apaixonante, doida e edificante.

Aterrorizante por que ninguém tem dó de você. Nem deveria. Depois de algumas semanas você percebe que não é o que você não consegue fazer que conta, e sim cada passo que é dado na direção certa sem cair (muito) de bunda.

É apaixonante porque sempre tem alguém vibrando com cada conquista sua, te ajudando quando você cai, literal e figurativamente. E quando o medo toma conta, tem sempre alguém pra te encorajar. Mesmo quando tudo mais falha, ainda tem alguém gritando teu nome, que seja simplesmente pelo orgulho de você ter lutado até o final (true story, valeu ai quem gritou haha).

Image

Bootcamp com Fifi Nomenon & Killa Nois (Jul/2012)

É maluco entrar no roller derby. Num momento você está tranquilamente vivendo sua vidinha com seus compromissos habituais, seus hábitos, sua rotina. No outro sua vida muda para “não posso, tenho roller derby”. E você não se arrepende por um segundo sequer.

Durante o dia você se estressa, se preocupa, se cansa… Quando você chega na quadra tudo passa, é o “derbyvana”.

E é edificante, pois é feito por suas mãos e pelas mãos de outras garotas que suam a camisa tanto quanto você, que tem tantos roxos quanto você. Que amam o esporte e a liga tanto quanto você.

O roller derby te faz perceber que não importa quem você seja, mulher, homem, gordo, magra, gay, hétero, preto, branco, azul, rosa… Você é respeitado por quem você é, e todo mundo tem potencial pra patinar, tendo vontade e patins, o resto se dá um jeito.

Image

Bootcamp CDT com DeRanged e Psychobabble (Dez/2012)

Nem tudo são flores, principalmente as joelheiras das coleguinhas, mas é muito… muito bonito ver o carinho que as meninas tem umas pelas outras, o respeito, e a admiração (derby crush, anyone?). 

Esse é o tipo de coisa que ainda me impressiona, como rollergirls fazem de tudo pra ajudar outras rollergirls. Esse é um exemplo que todo esporte devia seguir e eu tenho orgulho de ser parte de uma liga tão unida, tão interessante, bonita e foda.

O melhor momento é cada dia chegar na quadra e apesar do calor, das dores do último treino, da quadra zoada e da chuva que não dá trégua, todo mundo ainda ter uma imensa vontade de treinar.

Acho que é válido agradecer também, afinal meu primeiro contato com a liga foi através da Dedé e da Mari. É pouco tempo (3 meses hoje!) pra tanto orgulho. Espero que o mundo não acabe, por que eu ainda tenho muitas milhas pra patinar com as Rebels!”

~ Estelinha, fresh meat (Rebel desde Out/2012)

 —

“Tudo que eu tenho a falar é que por causa das GCR eu conheci a Pam (Oniguiri Bomb) e, consequentemente, casei. Era isso, agradeço pra vida.”

~ Drunk (Rebel NSO desde Mar/2012)

Image

Primeiro demo-bout em São Caetano (Jun/2012)

“Quando recebemos a Fifi e a Killa, a presença de todas durante as atividades em todos os dias da semana fez com que tudo tivesse valido muito mais a pena. Foi muito intenso, com treinos, sessões de bouts para discutir as estratégias de jogo, e todos os outros eventos que tornaram a estadia dessas jogadoras realmente inesquecíveis!

Sem contar que só esse ano tivemos a oportunidade de viajar duas vezes com a liga, primeiro para o treino com as meninas do Beach Zombie, em Santos, e segundo para participar do 1° Brasileirão, no Rio. Também conseguimos um apoio para treinar em uma quadra incrível aos finais de semana, depois de infinitas tentativas frustradas.

Acho que a ideia é que, conforme aumenta o tempo de liga, maiores são as responsabilidades, e é isso o que eu vejo para o próximo ano também!”

~ Mary of Pain (Rebel desde Jan/2012)

“2012 foi um ano muito bom pras Rebels. Teve muita coisa legal: teste de carninhas no começo do ano, bootcamp com a Fifi, Brasileirão, bootcamp com as irmãs Hayden… Aí fica difícil escolher o “melhor” momento, mesmo eu não tendo participado de todos. Mas acho que pra mim o que marcou mais foram os treinos em si, principalmente antes do Brasileirão. Foram neles que deu pra ver como é o foda o espírito de equipe da liga, a garra, a seriedade, a vontade de aprender cada vez mais sobre o esporte, de evoluir, de melhorar, de se superar. Todas as meninas treinaram muito duro o ano inteiro e sempre querendo mais.

E, pessoalmente, o grande destaque desse ano não está num momento especifico, e sim no amor que as Rebels sentem pelo roller derby e demonstram sempre que estão na pista!”

~ Random Guy (Rebel Faz-Tudo desde Maio/2012)

Image

1º Brasileirão de Roller Derby, no Rio (Out/2012)

“Fodices de 2012:

- A avaliação das carninhas no começo do ano (acho que foi em março). Todas ali, dando o máximo de si, com um objetivo só: virar veterana! O clima de cooperação entre todas foi emocionante e eu lembro muito desse dia porque meu joelho estava detonado e, quando estávamos fazendo as 25 voltas na pista, as veteranas pareciam cheerleaders gritando nossos nomes pra gente conseguir completar no tempo certo… Foi incrível e tenso (nossa!), na hora eu pensei que não ia conseguir! Pra coroar o momento o Popoh fez rodinhas personalizadas com os nossos derby names, tipo medalhinhas. Fofíssimo!

- Feijoada com as lindas Fifi Nomenon e Killa Nois <3

Todas bebendo caipirinhas no centrão, exaustas depois dos treinos, com muita comida boa e muitas, muitas risadas! Teve até festinha na casa do Xexéu com direito a fantasias de carnaval da Vai Vai e photo shoot na sacada do apartamento dele! Foi hilário!!!

- Brasileirão, claro! Acho que esse feriado foi o mais legal do ano. Viajamos juntas, ficamos juntas no hostel (bostel, para os íntimos) e demos o sangue juntas na pista. Foram vários momentos marcantes, mas acho que a primeira jam do nosso primeiro bout foi histórica. Dá frio na barriga só de lembrar… 

Obrigada por fazerem parte dos melhores momentos do meu ano :~~~)

Amo vocês e essa liga linda! <3”

~ Gaibba the Hutt (Rebel desde Jan/2011)

Image

Rebel Rebel 2ª edição! (Maio/2012)

“Olhando pra trás agora do final de dezembro, acho bem difícil escolher um momento do ano pra eleger como melhor. Acho que o melhor momento foram todos os dias de janeiro até nosso ultimo treino do ano em dezembro. Tanta coisa aconteceu, tanta gente nova entrou, tantos drills foram aprendidos e repetidos milhares de vezes…

Como uma das administradoras da liga, é super gratificante ver o crescimento das Rebels, ver a maioria das meninas que procuraram a gente ficar e virar veterana, ver todo o trampo de organizar bootcamps dar certo e sentir a cada treino todo mundo crescer muito.

O melhor momento de 2012, pra mim,  foi 2012 em si. É muito bom perceber que mudamos bastante desde janeiro, e que mudaremos mais ainda em 2013, com certeza.”

~ Peryl Streep (Rebel desde Dez/2010) 

IMG_2270

Rebels antes da 1ª jam no primeiro jogo contra as Ladies of Helltown, no Brasileirão (Out/2012)

“Difícil falar sobre uma coisa apenas que mais marcou o nosso ano… 2012 foi um ano muito foda pra gente, por mil motivos: nossa liga dobrou de tamanho, tivemos nossos primeiros bouts (jogamos contra nós mesmas em Junho e em Outubro foi hora de colocar todo nosso teamwork em prática no Brasileirão!), fizemos dois bootcamps (um interno maravilhoso e muito especial com a Fifi Nomenon e com a Killa Nois e o outro que todo mundo sabe, com a DeRanged e a Psychobabble <3) e participamos da Ref Clinic com o Sugar, viajamos juntas pela 1a vez pra competir… Foram vários sonhos se realizando, foram muitas horas sem dormir, foram muitas dores no corpo e foi muito trabalho. Mas como bom clichê, tudo valeu a pena. :P

Pra mim, esse ano foi ano de perceber o quanto a comunidade roller dérbica é próxima e você pode simplesmente trazer pessoas que são muito foda lá fora e que vê jogando mil bouts no DNN e na WFTDA.tv pra ajudar, só porque eles amam roller derby tanto quanto ou mais do que você, e vão fazer de tudo pra que o esporte cresça num lugar que eles consideram tão surreal quanto o Brasil.

Foi perceber que estamos no caminho certo, estudando regras,  assistindo bouts, treinando duro, patinando ‘clean, smart e together’. Pegando todos os ensinamentos que nos dão, tentando absorver o máximo que podemos e colocando-os em prática, trabalhando como time. E com objetivos e foco no que ainda queremos conquistar.

Foi ver pessoas que eu vi nos primeiros treinos sem saber ficar em pé nos patins e sem saber direito que diabos é roller derby tomando atitudes na pista que me encheram de orgulho, entendendo as regras e aplicando-as e lutando a cada jam em um scrimmage ou nos nossos bouts.

Image

De cima pra baixo, nossos Rebels que contaram um pouco de 2012: Spider, Estela, Drunk, Mary, Random Guy, Gaibba, Peryl e Kaia.

Foi conhecer pessoas que podem não ter nada nadica de nada a ver comigo, mas que, quando nos encontramos às quartas, sextas e domingos, vemos o quanto temos em comum e suamos juntas, rimos juntas, nos esforçamos juntas, nos frustramos juntas. E comemos juntas e bebemos juntas, porque ninguém é de ferro.

E com certeza, perceber que a gente pode até não ser a maior liga do Brasil (aliás, se virem as fotos de todas as ligas “grandes”, a nossa é a menor – risos), a liga mais amada do Brasil (fomos vaiadas váááááárias vezes no Brasileirão, aff), a liga mais whatever do Brasil, mas com certeza estamos aí pra ficar e lutar pelo nosso espaço no roller derby em São Paulo, no Brasil, na América Latina e no mundo! :D”

~ Kaia Pilsen (Rebel desde Dez/2010)

 —

Quer fazer parte da nossa Rebelspectiva de 2013? Manda um email pra gente: contato@graycityrebels.com.br. E feliz derby ano!!!

 

Bootcamp = suor + aprendizado – sono

Todo mundo suado, mas feliz! crédito: Marcelo Druck

Todo mundo suado, mas feliz! crédito: Marcelo Druck

E o final de semana que a gente tanto esperava aconteceu e foi lindo! O Bootcamp que a gente organizou durante meses trouxe nada menos que as irmãs DeRanged e Psychobabble, lendas do derby americano, e nos encheu de felicidade! Além das coaches, meninas de vários lugares do Brasil vieram para o treinamento.

Éramos 67 skaters e oficiais de 12 ligas diferentes. Gente que levantou cedíssimo no sábado e domingo e rumou para São Caetano (SP), para treinar na nossa quadra magia. Às 9h, já estávamos todas de patins, prontas para aprender muito em 6 horas de treino. No último dia, depois de tudo isso, ainda rolou uma confraternização com as sobreviventes na Z Carniceria!

Junto da emoção de estar patinando com duas skaters que sabem muuuuito, veio o cansaço depois do treino intenso. Bem que a Psychobabble disse que os nossos músculos da coxa odiariam as coaches no final do bootcamp! Mas com isso veio também a responsabilidade de melhorar ainda mais, de treinarmos mais, de não fazer feio quando competirmos com ligas de outros países.

DeRanged no track. crédito: Marcelo Druck

DeRanged no track. crédito: Marcelo Druck

No final do bootcamp, fizemos algumas perguntas para a Psycho e DeRanged sobre o esporte no Brasil. Vejam abaixo o que elas responderam!

Qual era a expectativa de vocês para esse bootcamp?
PSYCHOBABBLE – Nós não vamos para os bootcamps com expectativas. Nós construímos os treinos em cima do que vemos na pista. Vemos como as meninas patinam e aí decidimos na hora. Por isso, nenhum bootcamp é igual!

Agora que vocês já nos conheceram um pouco, no que acham que o roller derby brasileiro precisa melhorar?
DERANGED – As técnicas de patinação.
PSYCHOBABBLE – Como derby girls, a gente quer logo começar a dar hits nos outros, mas é mais importante primeiro aprender a patinar direito.

Como vocês veem o roller derby evoluindo no mundo?
PSYCHOBABBLE – A gente tem certeza de que o roller derby fora dos Estados Unidos vai virar uma coisa gigante. Pessoas vão querer assistir aos jogos. Nos EUA as pessoas só prestam atenção em futebol americano, softball e basquete. Nos outros lugares, existe lugar para uma variedade maior de esportes.

Vocês não se importam de ir para tão longe ensinar técnicas que, para vocês, são tão básicas? [ O pai delas tinha um rinque de patinação, e elas foram criadas patinando. Psycho colocou um patins nos pés quando tinha apenas 11 meses, em cima de um andador! Juntas, elas têm 55 anos de patinação]
PSYCHOBBABLE – Não, a gente não se importa! [risos] É muito incrível ver a grande melhora que vocês fazem em tão pouco tempo. É uma recompensa e tanto.

Psychobabble crédito: Marcelo Druck

Psychobabble. crédito: Marcelo Druck

Vocês pensam em vir para cá de novo?
PSYCHOBABBLE – Sim! Provavelmente no ano que vem viremos. Vamos falar com as ligas e ver qual é a melhor época para todo mundo.

Vocês acabaram de voltar da Argentina. Como o Brasil está em relação a esse país?
DERANGED – [pensa um pouco] Elas estão se dedicando muito. Elas querem muito vencer, especialmente depois da Copa do Mundo [a Argentina ficou em último lugar]. As meninas chegam a treinar de 6 a 7 dias por semana, com a liga e em casa!

[conversando mais um pouco, a Psycho comentou sobre o preço que pagamos por patins americanos, quando importamos]
PSYCHOBABBLE: Vocês têm que conversar com quem faz ótimos calçados. Vocês têm que explicar para eles que atualmente vocês pagam mil reais só para importar patins ruins. E que se ele fizer patins de qualidade, vocês pagariam esse dinheiro para ele. Alguém tem que conhecer alguém que conhece alguém que faz sapatos!

Psychobabble e DeRanged ensinando estratégias de jogo. Crédito: Marcelo Druck

Psychobabble e DeRanged ensinando estratégias de jogo. Crédito: Marcelo Druck

Além de todas essas dicas, no final do bootcamp algumas obrigações se fizeram claras: treinar muito, saber de cor as regras e assistir a muitos jogos de roller derby online! Só assim o esporte crescerá no Brasil e faremos bonito lá fora. ;)

E agora, sentiu a responsabilidade de jogar derby? Depois desse bootcamp, todas nós conseguimos ver nossos pontos fracos e sabemos qual é o caminho para melhorá-los. As Rebels já se comprometeram a investir muito suor na patinação e garantir que, no próximo bootcamp CDT que já está sendo planejado, deixaremos as irmãs orgulhosas!

(Para ver todas as fotos do bootcamp, é só curtir a fan page da liga no Facebook!)

Bate-papo com Helen Wheels!

E não é que falta só 1 dia pro nosso Bootcamp? É muita emoçãããão! Para dar um gostinho do que vem por aí, entrevistamos a Helen Wheels, que faz parte do Certifiable Derby Training! Confere aí:

De onde veio a ideia de criar o Certifiable Derby Training (CDT)? Quando vocês decidiram que era hora de ensinar derby pelo mundo todo?

Eu sou professora e sempre estive inclinada a ajudar os outros. Durante minhas viagens, eu já havia sido convidada para treinar diversas ligas logo no início do renascimento do roller derby. Algumas de minhas experiências anteriores ensinando o esporte foram com as London Rollergirls, Calgary Roller Derby Association e Rage City Rollergirls. Parecia uma maneira excelente de compartilhar meu amor pelo derby e conhecer pessoas incríveis pelo caminho!

Eu tinha convidado a De e a Psycho para me ajudarem a treinar uma liga no Arizona. Nós percebemos uma química excelente entre nós, temos muito em comum (nós três crescemos em rinques de patinação) e uma paixão por roller derby e patinação em geral, que vêm da alma. Depois de termos treinado aquela liga juntas naquele primeiro fim de semana, nós decidimos fazer do CDT uma realidade.

Do que vocês mais gostam em dar bootcamps? Por que é tão importante para o derby que eles aconteçam?

É tão recompensador ver como as participantes dos bootcamps da CDT crescem durante o período de treinamento. Tudo, desde a forma de patinação até melhoras em estratégias sofisticadas de roller derby, o que é muito empolgante para nós! É importante para o derby que as jogadoras se esforcem sempre para melhorar. Assim, o esporte cresce e também se eleva em habilidade.

Vocês três têm MUITA experiência em roller derby [Hellen Wheels tem 8 de deby e 43 de idade, DeRanged tem 5 e 29 e Psycho Babble tem 5 e 23]. Como é ensinar uma “nova geração” de derby que tem vocês como mentoras e ídolas? :)

Nós nos sentimos tão sortudas em ensinar a “nova geração” de derby! Ter a oportunidade de trabalhar com outros que são apaixonados pelo roller derby é um sonho que virou realidade. Ser capaz de ajudar as jogadoras a melhorar suas habilidades e encontrar momentos “Ah-ha!” não têm preço.

Como surgiu a ideia de vir para a Argentina e ao Brasil? O que significa para vocês vir tão longe para ensinar roller derby?

Depois da Copa do Mundo de 2011, o CDT viu a necessidade de ajudar ligas de roller derby de fora dos EUA a melhorarem para que possa haver um nível mais alto de competitividade em eventos mundiais futuros. Nós nos sentimos honradas e lisonjeadas em viajar tão longe para ensinar roller derby!

O que vocês esperam desta tour sul-americana além de comer muito bem? Hehe.

 Nós esperamos conhecer pessoas incríveis e compartilhar um amor em comum pelo roller derby! Comer bem? É um bonus! ;)

O que vocês diriam às ligas e às jogadoras iniciantes no Brasil e na Argentina, países onde o roller derby é um esporte tão novo, sem nenhuma história e sem ninguém para ensiná-lo durante o ano todo?

O roller derby atual é o esporte mais inteligente, mais complexo e mais excitante que existe no mundo hoje. É um esporte tão novo que, com trabalho duro e dedicação, uma pessoa pode melhorar imensamente. Não ter história ou uma pessoa para treinar o ano todo é um obstáculo muito pequeno.

Graças à internet, a  Derby News Network (DNN) está a um clique de distância para pesquisas sobre roller derby. Assistir a um boutcast de roller derby não é a mesma coisa que ver ao vivo, mas com certeza pode ser muito utilizado como um instrumento pedagógico. Procure derby de qualidade e observe as estratégias e como elas evoluem, e observe como as ligas mais avançadas se ajustam para combater estas estratégias! O roller derby de hoje é extremamente orgânico, mas este é um dos fatores que o torna tão empolgante!

E aí? Curtiram? Se você infelizmente não participará do bootcamp, aguarde que na semana que vem contaremos tudinho sobre o evento. Se você for, te esperamos empolgadíssimas no sábado! :)

Quer saber mais sobre a nossa liga ou sobre roller derby?  Nos manda um email para contato@graycityrebels.com.br!

Stop! Bootcamp time!

Depois do primeiro encontro de roller derby a nível nacional em outubro, chegou a hora do bootcamp que as Rebels estão organizando já há alguns meses. Sim, menos de dois meses depois, já temos mais um evento dérbico no Brasil! Sensacional, né?

Ah, não sabe o que é bootcamp? A gente explica: é um treinamento intensivo, normalmente com mais de um dia. A palavra veio do vocabulário militar, de quando eles treinam novos recrutas. No caso do roller derby, é um momento para troca de experiências e dar o máximo de si.

Esse bootcamp vai ser organizado pela Gray City Rebels e trará três ótimas skaters americanas para nos ensinar todas as técnicas incríveis que elas praticam por lá! Elas são as irmãs DeRanged e Psychobabble, que jogam na melhor seleção de derby do mundo, a dos EUA, e a Helen Wheels, uma das jogadoras mais veteranas do esporte. Saiba mais sobre as coaches aqui.

O treino vai acontecer dias 8 e 9 de dezembro, um final de semana, das 9h às 17h. A nossa quadra magia para esse evento fica em São Caetano, que é bem perto de São Paulo. Ainda assim, para facilitar a vida das jogadoras que vêm de outras cidades (sim, intercâmbio dérbico de novo! Yey!), vamos disponibilizar um “derbusão”, nome carinhoso do nosso ônibus fretado que as levará até o local do treino e as trará de volta para a capital paulista. Também daremos água e barrinha de cereal durante o treinamento.

Certifiable Derby Training em SP
Data: 8 e 9 de dezembro (fim de semana)
Horário: das 9h às 17h
Local: São Caetano (SP) – incluso ônibus fretado saindo de São Paulo

Ficou interessada? Nos manda um email para contato@graycityrebels.com.br! As inscrições ainda estão abertas, mas não sabemos até quando, hein?

WFTDA Championships aconteceu nesse feriadão

Foto: Donalee Eiri, Derby News Network

Para quem curte Derby, o combinado do feriado prolongado foi de roer as unhas! Isso porque nos dias 2, 3 e 4 de novembro rolaram os WFTDA Championships, jogos que definem as melhores ligas de flat track do mundo! Uau!

As Rebels se reuniram para assistir aos jogos, que foram exibidos pelo pay-per-view da WFTDA.tv, e conferiram a classificação final: na disputa pelo terceiro lugar, quem ganhou foi Denver Roller Dolls, numa virada que terminou com 210 pontos contra os 199 das Texas RollerGirls. Um jogo e tanto!

Repetindo o que aconteceu na última edição do campeonato, a final foi disputada entre as ligas Gotham Girls Roller Derby e Oly Rollers. Invictas há mais de um ano (!) e somando 28 vitórias consecutivas, as Gotham mais uma vez levam pra casa o primeiro lugar, com 233 pontos contra 130 das Oly.

Além da oportunidade de assistir a esses “gigantes” se enfrentando, aproveitamos para espiar duas jogadoras que logo mais estarão em São Paulo: Deranged e Psycho Babble jogaram com as Oly Rollers, e, junto com a Hellen Wheels, elas compõem o Certifiable Derby Training, grupo que dará um treinamento especial para as ligas brasileiras no final do ano! Logo mais, um post sobre esse bootcamp. Fique atento!

Para finalizar, um breve perfil da liga vencedora neste ano, Gotham Girls Roller Derby: Segundo o site DNN (Derby News Network), todo torneio realizado pela WFTDA desde 2007 teve a participação das Gotham. A liga não é derrotada em pista plana desde novembro de 2010 e acumula vitórias com média de 100 pontos de diferença. Além disso, um currículo cheio de skaters mundialmente aclamadas faz com que o título de melhor liga flat track seja incontestável.

Foto: Donalee Eiri, Derby News Network

Como jogam as Gotham Girls Roller Derby

O estilo de jogo concentrado na defesa com jammers agressivas não só é super eficaz como também serviu de modelo para a maneira como o derby é jogado no mundo todo. Diferentes ligas passaram a se concentrar no modelo e tomam a liga nova iorquina como uma referência.

Quando assistimos a um jogo das Gotham, como o que aconteceu neste domingo, vemos que o número de faltas também é bem menor se comparado ao time adversário. Mais do que jogar limpo, isso previne que o time fique enfraquecido pela falta de jogadoras. Neste domingo, por exemplo, o time das Oly sofreu com a jammer no penalty box por 10 vezes, o que aconteceu no time das Gotham apenas duas vezes.

Outro fator importante é o número reduzido de alterações no roster do time, contribuindo para que a equipe fique cada vez mais forte e mais aprimorada. Algumas das melhores jogadoras, como Suzy Hotrod e Bonnie Thunders estão na liga há mais de seis anos, fazendo das Gotham sua primeira e única liga! Muito legal, né?

E aí, viu quanta coisa dá pra aprender vendo os jogos? Agora é só treinar bastante e colocar tudo isso em prática! Precisa de ajuda? Sem problemas! Mande um email para contato@graycityrebels.com  e conheça também o estilo Rebel! ;)

Aconteceu o 1º Brasileirão de Roller Derby!

brasileirao de roller derby, medalha

olhem que linda a medalha! | Crédito: Padilha

Ficamos um tempo sumidas, mas voltamos com uma notícia super legal aqui no blog! Mostrar pro ‘país do futebol’ que é possível se apaixonar por outros esportes é uma meta do roller derby no Brasil…. e o que pode ser mais incrível pra isso do que acontecer o primeiro encontro nacional do esporte? E é isso que o roller derby brasileiro tem a comemorar desde os dias 12,13 e 14 de outubro, quando aconteceu o 1º Brasileirão de Roller Derby, no Rio de Janeiro.

Foram 11 ligas, do Rio Grande do Sul ao Amazonas, reunidas na capital carioca durante o feriado para trocar experiências em relação a esse esporte incrível sobre patins. O evento foi organizado desde o início do ano pelas Sugar Loathe Derby Girls, liga carioca,  e as Rebels, claro, fizeram questão de participar!

brasileirao de roller derby

jogo Gray City Rebels x Ladies of Hell Town | Crédito: Padilha

Sem caráter competitivo, o 1º Brasileirão teve como foco promover o conhecimento entre ligas, possibilitar situações reais de jogo e esclarecer as dúvidas quanto ao funcionamento técnico das partidas. Aliás, essa é uma questão muito importante no derby brasileiro, porque, sem árbitros, não tem jogo, né? Ainda mais nesse esporte, que é cheio de regras e penalidades.

Um dos destaques do evento foi a clínica de arbitragem, realizada pelo ótimo árbitro americano Sugar Daddy. Ele sabe muito! E tanto as skaters quanto os árbitros e os coaches (treinadores) tiveram a chance de revisar todos os detalhes técnicos de um jogo.

clinica de arbitragem, sugar daddy, roller derby

Clínica de arbitragem com Sugar Daddy | Crédito:Padilha

Ir ao Brasileirão também valeu muito para conhecer outras pessoas que curtem tanto o roller derby quanto a gente, que se esforçam para aprender à distância técnicas de patinação e de estratégia. Também valeu pela chance de testar nossas habilidades com jogadoras que não conhecíamos, o que deixava os bouts muito mais surpreendentes. :)

Lá, foi uma imersão total no esporte. A gente dormia sonhando com RD, acordava pensando nisso e a fixação continuava ao longo do dia, até dormirmos de novo!

O evento foi super organizado, e as açucaradas cariocas pensaram em todos os detalhes para não deixar ninguém de fora. Mesmo as fresh meats (que chamamos carinhosamente de carninhas), que ainda não passaram no teste de habilidades mínimas, puderam, por exemplo, participar da comissão técnica. Foi muito divertido, principalmente para as jogadoras que nunca tinham participado dos jogos fora do track. Depois da experiência deu pra entender como é necessário estudo e dedicação para estar em posições fora do track, e como essas funções são indispensáveis para que ocorra uma partida justa e segura.  Mais do que isso, demonstrou o quão importante e urgente é o trabalho de compor uma comissão técnica efetiva dentro das ligas, com coach, assistant coach e line up manager, e de treinar árbitros e NSOs (non-skating officials).

Vale lembrar que é papel do conjunto de árbitros e NSOs conferir os equipamentos de segurança, evitando que as skaters coloquem em perigo a si e a outras jogadoras; identificar faltas e aplicar as penalidades de acordo com o impacto no jogo (minor or major impact); contabilizar as faltas por atleta; marcar os pontos de cada jammer, identificar a lead jammer e encerrar a jam assim que ela fizer o chamado; atualizar o placar; monitorar o tempo das jogadores que estão no penalty box, etc. Não é pouca coisa!

Bouts

As Sugars planejaram uma agenda intensa, que ajudou o esporte em vários aspectos. Além desse foco especial para a arbitragem que já comentamos, também aconteceu um jogo entre os times Ordem e Progresso, formados pelas meninas da seleção brasileira de roller derby e convidadas. Essa partida também serviu para a comissão técnica da seleção observar mais meninas na track, e escolher a “nova leva” do esporte no País. Aliás, mais rebels entraram para Seleção!

sapas x princesas, roller derby, brasileirão

jogo Sapas x Princesas | Crédito: Padilha

Também rolou o jogo Sapas x Princesas, que foi um bout demonstrativo do Vagine Regime Brasil (um capítulo brasileiro de uma comunidade mundial de roller girls gays, bi, trans e simpatizantes), que ajudou ainda mais a confraternização entre ligas.

Como a maioria das ligas ainda são bem recentes (costumam ter menos de um ano) e nem sempre tem uma quantidade de meninas suficiente para fazer jogos, ainda não deu para fazer jogos “tradicionais”, de uma liga contra a outra. A solução foi fazer times com gente de lugares diferentes, desde que tivesse o mesmo nível de patinação entre si, o que também foi muito bacana. Ainda assim, deu pra fazer jogos entre as três ligas do grupo A, mais antigas: Sugar Loathe Roller Girls (RJ) e as duas paulistas, a Ladies of Hell Town e nós, claro. Nossa liga foi a única a jogar com os dois times nesse 1º Brasileirão!

Preparação e o que vem por aí

Conscientes da importância que o 1º Brasileirão de Roller Derby teria para o esporte, as Gray City Rebels se prepararam intensamente. Pelo menos três meses antes, os treinos mudaram de enfoque e o treinamento de técnicas pontuais deram lugar a uma maior quantidade de jogos, com as skaters da própria liga mesmo, para chegarmos no evento mais seguras das nossas capacidades.

gary city rebels vendendo camisetas e canecas da liga no Brasileirão

Rebels vendendo camisetas e canecas da liga | Crédito: Padilha

Bom, depois de todo esse relato sobre o evento mais legal de Roller Derby que já aconteceu nesse Brasil, vem a grande notícia: o próximo é em São Paulo e será organizado por nós, Rebels! #todascomemora

Sabemos que será um trabalho intenso, como foi pras Sugars, mas não faltará entusiasmo!
E aí? Tá a fim de fazer parte da liga anfitriã do próximo Brasileirão de Roller Derby? Então manda email pra gente (contato@graycityrebels.com.br) e aparece lá no treino!